A Tragédia de Superga – O dia em que pararam o Grande Torino


Hoje é o aniversário de uma das passagens mais tristes da história de Turim e do futebol mundial: a Tragédia de Superga. Assim como no dia 29/11/16 a equipe da Chapecoense sofreu um fatal acidente, há exatos 68 anos, no dia 04 de maio de 1949, o time do Torino encontrou seu fim num trágico acidente de avião.

Grande Torino (Fone:Wikipedia)

A Equipe do Grande Torino

O Grande Torino durante a década de 1940 era o maior time do futebol italiano. Sagrou-se 5 vezes campeão nacional, sendo o último título em 1949, após a tragédia. Numa Itália devastada pela 2ª Guerra Mundial, o futebol era uma maneira do povo esquecer um pouco a situação de miséria e dificuldade em que se encontrava e também o sucesso de um time como o Torino, servia para dar orgulho e melhorar a auto estima daquele povo que tanto sofreu durante e depois da guerra.

O Torino da década de 1940 colecionava records: em 42/43 foi o primeiro time a ganhar a Copa da Itália e o Campeonato Italiano na mesma temporada. Em 47/48 fez 125 gols na temporada e as duas maiores goleadas. Para se ter uma ideia da grandiosidade do Torino, dos 11 jogadores da Squadra Azzurra (seleção italiana), 10 eram jogadores da equipe grená de Turim.

Aquele time liderado pelo Capitão Valentino Mazzola era um mito. Cada jogo do Torino era um verdadeiro espetáculo, uma equipe que jogava no ataque e por isso conquistava tantos admiradores. Quando jogava em casa, no Filadélfia, exatamente aos 15 minutos, um trompete tocava o toque de assalto da cavalaria nas arquibancadas e o capitão Mazzola levantava o braço dando o sinal para o resto do time começar o ataque. Durante os 15 minutos seguintes a equipe do Torino imprimia sua máxima velocidade no ataque, sufocando o time adversário em seu campo. Eram os “15 minutos do Filadélfia”, quando o espetáculo de futebol e gols acontecia.

Benfica x Torino em Lisboa

E foi essa equipe avassaladora que viajou no dia 01 de maio de 1949 para Lisboa, para participar de um amistoso com o Benfica, em homenagem ao então capitão da equipe portuguesa, Francisco Ferreira. O jogo aconteceu no dia 03 de maio e o Benfica saiu vitorioso por 4×3. Estando às vésperas das finais do campeonato italiano, a equipe do Torino participa das comemorações e homenagens ao jogador português mas embarca no avião FIAT-G212 da ALI  de volta para casa no dia 04 de maio.

A Tragédia de Superga

Destroços do FIAT G212 (fonte:Wikipedia)

O avião com 31 passageiros, entre eles 18 jogadores da esquadra italiana, faz uma escala em Barcelona e segue para Turim, que está sob forte tempestade. O tempo está tão ruim que chega-se a cogitar o pouso em Milão, mas por fim mantém-se Turim como destino final. Próximo das 17 horas o experiente piloto, veterano da 2ª Guerra, avisa a torre de comando que estão quase chegando e pede que lhe façam um café. Às 17:02, a torre contata novamente o piloto e avisa sobre as péssimas condições meteorológicas, e ele agradece e diz que estão quase chegando. Foi o último contato entre a cabine e a torre de comando naquele fatídico dia.

O FIAT-G212 segue sua descida para aterrissar no aeroporto de Turim. Enquanto isso, no interior da Basílica de Superga, o Padre ouve os motores do avião, mas não se preocupa pois está acostumado com os aviões que sobrevoam a Basílica. Então vem um estrondo e um forte tremor de terra. O FIAT-G212 havia colidido com os fundos da igreja, vitimando as 31 pessoas a bordo.

Funeral

Funeral Grande Torino no Palazzo Madama (fonte:Wikipedia)

A notícia do acidente logo se espalhou pela cidade, que atônita aguardava o retorno de seus heróis. E mais do que heróis, eles eram pais, irmãos, vizinhos, amigos. Porque naqueles idos de 1949, os jogadores da esquadra grená eram parte do dia a dia da cidade e das pessoas. Todos eram próximos. A notícia se espalhou aos poucos pela Itália e por fim pelo mundo. O Grande Torino não existia mais. Os “15 minutos do Filadélfia” não aconteceriam mais, pois foram sufocados por Superga.

A comoção foi tanta que mais de 500 mil pessoas estiveram presentes ao funeral. Para se ter uma ideia, a população local era de cerca de 500 mil habitantes em 1949. A cidade de Turim escolheu seu mais belo palácio para prestar as últimas homenagens, no dia 06 de maio, aos ídolos da esquadra grená: o Palazzo Madama. As ruas ficaram cheias e o silêncio e a tristeza tomaram conta da cidade e em toda a Itália foram feitas homenagens aos mortos da Tragédia de Superga.

Os jogadores do Torino mortos em Superga foram: Aldo Ballarin, Danilo Martelli, Dino Ballarin, Eusebio Castigliano, Ezio Loik, Franco Ossola, Giuseppe Grezar, Guglielmo Gabetto, Julius Schubert, Mario Rigamonti, Milo Bongiorni, Piero Operto, Romeo Menti, Rubens Fadini, Ruggero Grava, Virgilio Maroso, Valerio Bacigalupo e Valentino Mazzola.

Consequências da Tragédia de Superga

As consequências daquele 04 de maio foram arrebatadoras para as famílias e amigos, mas também para o time do Torino e para o futebol italiano. O Torino sagrou-se pentacampeão após a tragédia, jogando com a equipe júnior, como uma homenagem póstuma aos ídolos que partiram em Superga. Faltavam 4 jogos para o fim do campeonato e as outras equipes italianas, em solidariedade ao Torino (e muito fairplay) também jogaram com suas formações de juniores.

Como dito anteriormente, a Azzurra era praticamente toda formada por jogadores do Torino e o acidente em Superga desfalcou completamente a seleção italiana. Um ano depois, ainda abatida e não recomposta, viajou de navio para a Copa do Mundo de 1950 no Brasil, sendo eliminada ainda na 1ª fase.

O Torino, após a tragédia de Superga, deixa de ser o maior time de futebol da Itália e de Turim, abrindo espaço para o crescimento da Juventus. Dez anos após o acidente, a equipe grená cai pela primeira vez para a série B e amarga muitos anos difíceis. Apenas em 1976 conquista novamente um título italiano.

Filadélfia

A casa do Torino, o Filadélfia, também entra em decadência juntamente com o time. Sem o toque da cavalaria na arquibancada e o sinal do capitão Mazzola para começar o ataque, o estádio começou a morrer. Quando o Torino caiu para a série B, a direção do clube começou a estudar uma mudança de estádio e, por fim, em 1963 a equipe passou a jogar em definitivo no estádio estádio Comunalle (hoje estádio Olímpico de Turim, que hoje é a casa do Torino).

O Filadelfia ficou esquecido, até virar praticamente uma ruína. Em várias ocasiões, a direção do clube grená pensou em reformar ou vender o estádio, mas só em 2015 de-se início a uma reconstrução do Filadélfia. A inauguração do novo Filadélfia está prevista para o dia 27 de maio próximo, e serão 3 dias de comemorações, sendo, é claro, o primeiro deles em homenagem aos heróis do Grande Torino.

Homenagem ao Grande Torino no local do acidente

Hoje às 17 horas será realizada uma missa na Basílica de Superga em memória das 31 vítimas da Tragédia de Superga.

 

 

 

1 Trackback / Pingback

  1. Juventus Football Club: A gigante de Turim – In Turim

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*